Por: Cinthia Campanário – 24/04/2019

Treino, pilates, e-mails, e-mails, e-mail, e-mails, mensagens, mensagens, mensagens, mãe, namorado, 10 horas de trabalho, whey, salto alto e 4 horas de sono por noite.

Um valor: agenda lotada.

Um mantra: não tenho tempo.

Poucas linhas e um retrato em preto e branco do combate aquilo que temos de mais elementar: nada!

Nascer aleatoriamente como produto do acaso e da involuntariedade particular de cada um de nós não poderia deixar outra marca senão o vazio.

Os orientais de certo tem muito a nos dizer sobre essa particularidade nada particular da existência, o quanto é importante, valioso e extremamente necessário para que a vida tenha sentido. O ocidente, ao contrário, insiste e investe no preenchimento daquilo que sequer tem fundo.

Pergunto se tantas atividades respondem a tão elementar inquietação da história do pensamento: o que fazemos aqui?

Ainda não encontramos o x dessa questão. Que bom, seguimos investigando, então.

Essa interrogação há de ser o caminho do contato com cada singular sentido atribuído e sentido, experienciado, a cada pequeno passo, leve sorriso ou densa lágrima de todos os dias da vida.

Nunca antes tantas ocupações. Nunca antes tanta cobrança, competição, boletos, ritalina e rivotril.

A negação do vazio, espaço fértil para a criação e elaboração da vida, adoece. Ansiedade e depressão, vai saber, podem ser a resposta que o corpo dá a mente que não ousa se questionar e se aquietar com o nada que nos ocupa.

Vale parar. Vale respirar. Vale muito não saber. Vale contemplar. Vale perder a hora e colocar o sono em dia, porque nesses intervalos o retrato da vida há de ser bem mais colorido.

Por: Cinthia Campanário
Contato: cinthiacampa@gmail.com

Mensagens

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>